Mensagem aos Amigos

Poderíamos descrever um estado muito qualificado de Ser aquele que é próprio dos que:
• Não são um balão de arrogância;
• Não se deixam dominar pela raiva;
• Não permitem que o desfrute dos prazeres os enfraqueçam;
• Não aceitam que as mágoas os derrotem;
• Não vivem reclamando das dificuldades e carências.

Paulo e Lauro Raful



O nosso corpo serve ao mental e às emoções. Por isso, ele obedece sempre às atividades dos dois, sejam elas conscientes ou não.

Quando está sob a influência de pensamentos e emoções de má qualidade, o corpo acaba decaindo e adoecendo; ao contrário, quando está sob influência de emoções e pensamentos belos e alegres, o corpo reveste-se de juventude e beleza.

Podemos constatar essa verdade, observando as pessoas à nossa volta: aquelas que mais temem as doenças são as que adoecem mais facilmente. A ansiedade e a angústia desmoralizam o corpo, abrindo portas para a doença. Por isso, é de fundamental importância trabalhar interiormente, purificando pensamentos e emoções.

Paulo e Lauro Raful




As pessoas acreditam que tudo o que pensam e sentem pode permanecer escondido. Como estão enganadas! Os pensamentos e as emoções concretizam-se em hábitos e os hábitos transformam-se, sem percebermos, em circunstâncias e atos.

Assim, por exemplo, os pensamentos carregados de ódio e julgamento, concretizam-se em hábitos de acusação e violência que, por sua vez, materializam-se em atos de injúria e perseguição; já os pensamentos carregados de medo, indecisão e dúvidas cristalizam-se em hábitos de fraqueza e hesitação que, por sua vez, corporificam-se em circunstâncias de fracasso, perda e insucesso.

Por isso, nossa tarefa consiste em sermos capazes de discernir lucidamente a qualidade do nosso pensar e do nosso sentir para, caso necessário, nos retificarmos interiormente.

Paulo e Lauro Raful




Para amadurecermos, precisamos deixar de acusar os outros pelas nossas atuais condições e começar a desenvolver nosso modo de pensar, sentir e agir. Para isso, é necessário pararmos de culpar as circunstâncias e começarmos a usá-las como alavancas de progresso e meios de descobrirmos poderes escondidos dentro de nós mesmos.

O Princípio que rege o Universo é o da Ordem e não o do Caos; é o da Justiça e não o da Injustiça. Por isso, quando nos colocamos em ordem, isto é, quando harmonizamos as nossas funções, vamos de encontro à Ordem do Universo; quando somos justos, isto é, quando pensamos e agimos a partir do nosso centro e não mais da nossa auto-importância, vamos de encontro à Justiça do Universo.

Paulo e Lauro Raful