Artigo Tradicional

A FORÇA DA ATENÇÃO


William Segal

A atenção é o instrumento fundamental para revelar as energias do homem adormecido para ele mesmo. Sempre que alguém testemunha o estado do corpo, e a interação do pensamento e da emoção, há uma insinuação, embora pequena, de outra corrente de energia. Através do simples ato de ficar atento, inicia-se um novo alinhamento de forças.

Manter a atenção consciente não é fácil. O movimento, as obrigações da vida do dia-a-dia, nos distraem completamente. Sem base de operações, sem lar no organismo de alguém, a atenção serve a pensamentos aleatórios, a emoções e desejos que entram em conflito e se tiranizam reciprocamente.

A sensação das partes do corpo como um todo pode ancorar a atenção, dando-lhe uma espécie de habitat. A estrutura, ficando mais sensitiva, ajuda a unificar a atenção, que, dessa forma, fica menos sujeita a ir em direção aos canais mentais, que consomem a sua força. Por sua vez, as percepções e sensações são aceleradas, os insights, multiplicados.

A abertura para a força da atenção evoca uma sensação de inteireza e equilíbrio. Pode-se vislumbrar a possibilidade de uma qualidade de ser cônscio imensamente superior à do mecanismo reativo, uma qualidade de ser cônscio que transcende o modo automático de resposta sujeito/objeto de alguém.

Fluindo livremente, o transformador efeito concentrado da atenção consciente traz o tempo desigual dos centros para uma relação relativamente equilibrada. Pensamento, emoção e sensação ficam equilibrados sob essa vibrante influência harmonizadora.

A atenção é uma força independente que não será manipulada pelas partes separadas de alguém. Limpa de todo barulho interno, a atenção consciente é um instrumento que vibra como um cristal em sua própria freqüência. Fica livre para receber os sinais transmitidos a cada momento, vindos do universo criativo na comunicação com todas as criaturas.

No entanto, a atenção não é minha. No momento de sua presença, fica-se sabendo que ela não se origina inteiramente de alguém. Com sua fonte rodeada de mistério, a atenção comunica energias de uma qualidade que a mente não pode retratar. É necessário ficar a serviço da atenção consciente; a sua vinda é preparada por meio da tranqüilidade ativa.

Na quietude, nos movimentos livres de tensão, a estrutura do homem fica aberta para os fluxos de energia, que estão comumente bloqueados. Essas energias, por sua vez, misturam-se com materiais recebidos previamente para servir ao Mais Alto, numa inominável troca sem palavras.

A atenção não é apenas mediadora; ela é transmissora. Dando e recebendo, Deus fala com o homem. Recebendo e dando, o homem fala com Deus. Assim como a estrutura do homem precisa ser vivificada pela infusão de vibrações finas, essas mesmas vibrações requerem a mistura de material grosseiro para a sua manutenção. Sem a transmissão superior de energias através da intermediação da atenção consciente, o universo se renderia à entropia.

No homem, a menor deformação de uma atenção equilibrada fecha essa comunicação de duas vias. A mente, sozinha, não consegue mantê-la. É necessário também um corpo relaxado.

No meio do caminho entre o micro e o macrocosmo, o homem tem seu papel a cumprir. Voltar ao corpo é um gesto de abertura para a atenção que, chamada dessa forma, está pronta para servir à sua função cosmológica.

William Segal. A estrutura do homem. Stillgate Publishers, 1987.

William Segal (1904-2000) foi discípulo de P. D. Ouspensky, de Gurdjieff e de Jeanne de Salzmann. Esteve também intimamente ligado à tradição Zen Budista e a vários de seus instrutores e intérpretes, incluindo Daisetz Suzuki. Suas pinturas têm sido exibidas em numerosas galerias de Nova York, Tóquio e Jerusalém, e várias coleções de seus escritos têm sido publicadas, junto com uma coleção que abrange seus textos e artigos que falam dele, intitulada Uma voz nas fronteiras do silêncio.


TUDO ACONTECE PARA O MELHOR


Swami Prasnanpad

Você deve lembrar-se de que tudo o que acontece, acontece para o melhor. Há uma distribuição divina das coisas. Sua vida estaria empobrecida sem todas as coisas que lhe ocorreram. Por isso, tudo deve ser aceito, o bom e o mau. De fato, você não tem escolha: se desejar o bom, terá o mau também. Todas as situações têm dois aspectos. Se quiser o lado ‘cara’ de uma moeda, deve ficar também com a face ‘coroa’. É inútil esperar apenas o prazer. O prazer e a dor estão sempre juntos. É preciso ficar com os dois, ou com nenhum deles. Quando ocorre algo, antes de tudo, receba-o. Esta é a verdade. Aconteceu. Você pode recusá-lo e dizer que não se passou? Não. Depois de ter chorado e se lamentado, vai aceitá-lo de qualquer modo. Por que, então, não o acolher desde o princípio? Diga sim a tudo. Quando você aceita um acontecimento de boa vontade, não há sofrimento.

O medo deve ser banido de sua vida.

O temor de que algo sobrevenha é pior do que o fato em si. Os medrosos, muitas vezes, morrem antes da hora. O medo deve ser suprimido de sua vida, porque é irracional e bloqueia a ação.

“Olhamos para a frente e para trás e nos enfraquecemos por causa daquilo que não existe.” (Shelley)

O hábito pernicioso de pensar no futuro e no passado deve ser rompido. Não é preciso tolerar que o passado o domine, nem que o reflexo do futuro influencie o presente, a realidade. Você só pode viver no presente quando o passado e o futuro forem eliminados. Apenas o presente é real, passado e futuro são meras ilusões. Viver no presente significa aceitar tudo o que vem. Em vez de rejeitar a realidade, de qualificá-la como boa ou má, agradável ou desagradável, experimente tudo o que lhe chega, porque tudo isso é vida. Não fuja da vida.

Quando dizemos que algo é bom ou mau para a pureza interior, não estamos vendo as coisas como são. Não há bem nem mal no objeto em si. Quando se toma muita quantidade de alguma bebida alcoólica, diz-se que o álcool faz mal, mas o caráter de ‘mau’ reside em nós mesmos e não no álcool.

Você está em uma gaiola de vidro que chama de fortaleza. Como pode haver limite para o estado de Brahmachari*? Tudo o que jogar no fogo será consumido por ele. Da mesma forma, se houver um estado de Brahmachari dentro de você, tudo que entrar em contato com ele será transformado. Devemos reinar sobre tudo o que nos diz respeito. O verdadeiro monge (sannyasi) é mestre de si mesmo em qualquer circunstância. Vestirá a seda mais cara com a mesma tranqüilidade com que usa roupas rasgadas; servir-se-á de um alimento principesco ou de uma sopa caseira com a mesma satisfação. Mas ele é moderado, come de acordo com suas necessidades. Não dormirá demais se estiver deitado em um colchão macio. Não é escravo de nada e pode, de uma forma ou de outra, adaptar-se fácil e alegremente a qualquer situação.

Se um pedaço de gengibre pode perturbar o seu estado de Brahmachari, então, de que vale esse estado?

*O estado de Brahmachari é o estado de quem vive na não-identificação. (N.T.)

A REPETIÇÃO DO NOME DIVINO

Se colocar madeira molhada sobre um braseiro, ela perderá, pouco a pouco, a sua umidade. Da mesma forma, o espírito de frivolidade acaba ressecando-se no homem que repete o santo Nome de Deus e que encontra Nele seu refúgio. Quem diz a si mesmo que pensará em Deus apenas quando o seu apego às coisas terrestres tiver terminado jamais será capaz de fazê-lo, pois esse momento nunca chegará.

Conscientemente ou não, em qualquer estado em que nos encontremos, se invocarmos o Nome de Deus, nos beneficiaremos do mérito dessa invocação. O homem que vai voluntariamente banhar-se em um rio, o que é obrigado a fazê-lo e o que é borrifado com água durante o sono - os três adquirem o benefício do banho.

A um instrutor religioso, que entendia ser o Nome de Deus suficiente para conduzir à Realização divina, o Mestre respondeu: “Sim, sem dúvida, repetir o santo Nome é muito eficaz, mas seria suficiente fazê-lo sem Amor? A alma deve ter sede de Deus. De que me adianta repetir o Seu Nome se permito ao meu espírito fixar-se na ‘mulher e no ouro’?”

O homem torna-se imortal quando cai em uma tina de néctar, não importando o modo como ele cai. O que nela tomba após várias práticas religiosas torna-se imortal da mesma forma que o que foi para ela empurrado. Consciente ou inconscientemente, ou até mesmo por engano, se pronunciar o Nome do Senhor, obterá o mérito dessas palavras.

Quando cremos no poder do santo Nome de Deus e nos sentimos dispostos a repeti-lo constantemente, não há necessidade de discernimento, nem de exercícios piedosos de nenhum tipo. Todas as dúvidas são aplacadas, o espírito torna-se puro e o próprio Deus é realizado pelo poder de Seu santo Nome.

O GUIA QUE ORGANIZA A VIDA

(A Mãe)


O anímico tem um poder?

Um poder? É geralmente o anímico que dirige o ser. Nada se sabe sobre isso, porque não se é consciente dele, mas é ele, em geral, que dirige o ser. Se ficarmos muito atentos, perceberemos isso. Mas a maioria das pessoas não o nota. Por exemplo, quando decidem, em sua ignorância exterior, fazer certa coisa e não o conseguem, mas vêem que todas as circunstâncias se organizam para que façam outra coisa, elas começam a gritar, a esbravejar, a se encolerizar contra o destino, a dizer, dependendo de sua crença, que a Natureza é má, que seu destino é funesto, Deus é injusto, ou não importa o quê. No entanto, na maior parte das vezes, era justamente essa a circunstância mais favorável para seu desenvolvimento interior.

Naturalmente, se você pedir ao anímico para ajudá-lo a tornar a sua vida agradável, a ganhar dinheiro, a ter filhos que serão a honra da família, etc., bem, ele não o ajudará! Mas produzirá todas as circunstâncias necessárias para que algo desperte em você e a necessidade de união com o Divino nasça em sua consciência. Pode ser que, algumas vezes, você tenha feito belos projetos que, se tivessem sido bem-sucedidos, o prenderiam cada vez mais dentro da crosta de sua ignorância, de sua pequena ambição imbecil e de sua atividade sem objetivo. Enquanto que, se receber um bom choque e o posto que cobiçar lhe for recusado, se o projeto que fizer for destruído e você ficar totalmente contrariado por causa disso, então, pode ser que essa contrariedade lhe abra uma porta para algo mais verdadeiro e profundo. E quando você tiver despertado um pouco e olhar para trás, se for minimamente sincero, dirá: “Ah! Não era eu quem tinha razão – era a Natureza, ou a Graça Divina, ou meu ser anímico, que fez tudo isso”. Foi o ser anímico que organizou tudo.

Se seu ser anímico estiver suficientemente acordado para velar por você e preparar seu caminho, ele poderá atrair situações que o ajudarão. Poderá, por exemplo, atrair encontros, livros, circunstâncias e todo tipo de pequenas coincidências, que virão a você como se tivessem sido trazidas por uma vontade benevolente. Essas coisas lhe darão uma indicação, uma ajuda, um apoio para tomar decisões que o orientarão na boa direção. E uma vez decidido que encontrará a verdade de seu ser e que avançará seriamente no caminho, então tudo parecerá ligar-se no intuito de ajudá-lo a avançar.

O Diário da Mãe
(Mirra Alfassa)

Sem data, 1957

Os Sutras da Mãe

1) Não ambicione nada, sobretudo nunca deseje nada, mas seja a cada instante o máximo do que pode ser.

2) Quanto ao seu lugar na manifestação universal, somente o Supremo o designará.

3) Foi o Senhor Supremo quem decretou de maneira incontestável seu lugar no concerto universal, mas, qualquer que ele seja, você tem o mesmo direito que todos, de transpor os picos supremos até a realização supramental.

4) O que você é na Verdade de seu Ser foi decretado de maneira incontestável, e nada nem ninguém pode impedi-lo de Ser; mas o caminho que seguirá para alcançá-lo foi deixado à sua livre escolha.

5) No caminho da evolução ascendente, cada um está livre para escolher a direção que tomará: a subida rápida e íngreme em direção aos picos da Verdade, em direção à realização suprema, ou, voltando as costas aos cimos, a descida fácil para os meandros intermináveis das encarnações sem fim.

6) No decorrer do tempo e mesmo desta vida, você pode fazer sua escolha de uma vez por todas, irrevogavelmente, e assim só terá de confirmá-la a cada nova oportunidade; ou então, se não tomou desde o princípio a decisão definitiva, será preciso a cada instante escolher novamente entre a mentira e a verdade.

7) Mesmo que não tenha tomado desde o princípio a decisão irrevogável, se você tem a felicidade de viver um desses momentos singulares da história universal em que a Graça está presente, encarnada sobre a terra, Ela tornará a lhe dar, em certas ocasiões excepcionais, a possibilidade de refazer a escolha definitiva que o conduzirá diretamente ao alvo.